09/11/2018

Opinião | "A Paixão de Wilde" de Eloisa James

Título: A Paixão de Wilde
Autor: Eloisa James
ISBN: 9789898917416
Edição ou reimpressão: 10-2018
Editor: TopSeller
Idioma: Português
Dimensões: 150 x 229 x 23 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 384

Sinopse: Lorde Alaric Wilde é um famoso escritor e explorador inglês, venerado pelas suas perigosas aventuras e elegante aparência.
Após alguns anos no estrangeiro, regressa a casa. Só que Alaric não fazia ideia da sua celebridade até o seu navio atracar em Londres e ser recebido por uma multidão de senhoras desejosas de ver ao vivo o autor da famosa peça A Paixão de Wilde.
Para fugir a todo o rebuliço, Alaric refugia-se no castelo do pai. Lá, conhece a bonita e espirituosa menina Willa, que tem inúmeros pretendentes, mas não tem interesse por nenhum, e muito menos por um cuja vida privada é partilhada com o país inteiro. Alaric adora desafios e, até conhecer Willa, nunca se tinha apaixonado.
Conseguirá um homem que não aceita perder uma batalha conquistar uma mulher com um espírito indomável?

OPINIÃO:
Quando eu vejo que um novo romance histórico da Topseller eu fico logo bastante curiosa para o ler, fora que eu já à imenso tempo que queria ler algo desta autora. Nem sei como fiquei tanto tempo sem ler nenhum livro de Eloisa James, mas este foi o primeiro mas obviamente não será o último! Em poucas palavras posso dizer que o início foi um pouco difícil, mas depois que entrei na história foi sensacional.

A trama é bastante interessante, o Alaric Wilde é um Lorde, mas ele passou anos no estrangeiro e ao longo desse tempo escreveu várias histórias das suas aventuras que tornaram-se bastante famosas. Quando Alaric volta para casa é que se apercebe do quanto famoso que ele é. Quando chega ao castelo do pai conhece a Willa, uma jovem que não liga para as histórias dele e, ao contrário de todas as restantes jovens, não o admira e muito menos pretende ter algo com uma pessoa que é falada por todo o país. Claro que aqui começa um jogo de conquista, o Alaric fica admirado pela Willa e faz disto um desafio que pretende cumprir.

Este tipo de romances é o meu género favorito, eu quando começo estas fantásticas histórias eu perco-me completa. Neste foi exatamente isso que aconteceu e mesmo no início ter sido um pouco complicado, não sei o que era, talvez a escrita da autora que é ligeiramente deferente do que estou habituada, mas depois fiquei viciada nesse casal e só desejava saber como tudo iria terminar. A história é bastante interessante, aqui temos um lorde que é famoso entre as jovens devido ás suas histórias e acho que nunca li nenhum livro que o personagem masculino escreva livros (ou pelo menos não me lembro), o que foi uma super novidade para mim e gostei imenso.

Outro aspeto que gostei bastante é que o Alaric não quer esta atenção, principalmente quando descobre o que realmente estas jovens gostam e que não é propriamente dos seus livros e de literatura no geral. Este aspeto é interessante porque se pensarmos nos dias de hoje, infelizmente existem muito mais pessoas a preferirem os filmes do que propriamente o livro em si, não é que eu não digo que os filmes não sejam bons, mas é notório este paralelo em que o Alaric ficou famoso devido a uma peça de teatro, quando na verdade ele queria era que as pessoas lessem as suas aventuras.

Depois temos a Willa, a nossa personagem feminina que eu tenho que dizer que adorei. Willa é uma jovem inteligente e muito bonita, mas ela não segue o que os outros dizem, como tal a partir do momento que existe este homem famoso, ela não quer saber nada sobre isso. Ela nunca leu nada dele e muito menos viu a tal peça famosa e não tem interesse nenhum em conhece-lo. Com isto, começa aqui um jogo de "gato e rato" que vai acompanhando a maior parte do livro e que vai dar ao leitor momentos bastante divertidos. Ambos os personagens são bastante inteligentes e isso nota-se perfeitamente nos diversos diálogos que aqui temos, isto foi algo que a autora conseguiu mostrar perfeitamente bem do início ao fim, dando ao leitor a conhecer a personalidade destes personagens não por adjetivos, mas sim pelas suas próprias ações.

Outro aspeto interessante é o mistério sobre a peça A Paixão de Wilde, no início parecia que era outra, depois no meio comecei a desconfiar, mas verdade seja dita que nunca imaginei tal coisa. A autora consegue misturar as ações dos personagens com a realidade tão bem, que mesmo na altura em que quase estão a desvendar eu ainda pensava que era outra coisa. Vou ser sincera, não é um mistério gigante, mas a forma como Eloisa James desenvolveu a trama, faz com que o leitor duvide ao longo do livro todo e só quando descobrimos a verdade é que pensamos que realmente tudo fazia sentido.

A Paixão de Wilde é um livro inteligente, a escrita de Eloisa James é uma novidade para mim, é um pouco mais elaborada do que outros livros do género, mas isso só faz com que seja ainda melhor e rapidamente entramos de cabeça nesta trama. A história é cativante, o romance prende o leitor e está recheado de emoções. Para quem gosta do género eu recomendo imenso, esta autora conquistou-me e já quero ler mais dela.

Leitura com o apoio:

03/11/2018

Opinião | "Espada de Vidro" de Victoria Aveyard

Título: Espada de Vidro
Autor: Victoria Aveyard
ISBN: 9789897730818
Edição ou reimpressão: 10-2017
Editor: Saída de Emergência
Idioma: Português
Dimensões: 158 x 229 x 23 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 384

Sinopse: O novo e eletrificante capítulo da série Rainha Vermelha intensifica a luta de Mare Barrow contra a escuridão que cresceu na sua alma…
O sangue de Mare Barrow é vermelho mas a sua capacidade Prateada, o poder de controlar os relâmpagos, transformou-a numa arma que a corte real tenta controlar. A coroa acusa-a de ser uma farsa, mas quando ela foge do príncipe Maven – o amigo que a traiu –, Mare faz uma descoberta surpreendente: ela não é a única da sua espécie.
Perseguida por Maven, Mare parte para descobrir e recrutar outros combatentes Vermelhos e Prateados que se juntem à batalha contra os seus opressores. Mas Mare encontra-se num caminho mortífero, em risco de se tornar exatamente no tipo de monstro que está a tentar derrotar.
Será que ela vai ceder sob o peso das vidas exigidas pela rebelião?
Ou a traição e a deslealdade tê-la-ão endurecido para sempre?

OPINIÃO:
Quando terminei de ler Rainha Vermelha fiquei bastante curiosa para saber o que a autora planeava para esta história. Mas vou ser sincera, eu não estava à espera de nada em específico sobre esta continuação e até pensei que me fosse desiludir, mas a verdade é que a autora conseguiu trazer algo completamente inovador e um problema muito maior do que foi apresentado no primeiro livro e fez com que eu gostasse bastante desta leitura. A verdade é que o primeiro livro é apenas uma apresentação a este mundo e neste segundo livro é que começamos a conhecer os verdadeiros problemas e tudo o que está em causa.

É verdade que o inicio é um pouco lento, mas depois é apresentado tantas personagens novas que acredito que vão ser bastante importantes, e vamos descobrindo novas informações que nem imaginávamos no início que rapidamente passamos para uma dinâmica completamente diferente. A história rapidamente passa a ser repleta de ação que ficamos completamente colados à história. O ritmo é bastante acelerado, tornando assim mais interessante, principalmente quando percebemos o lado mais sombrio que a autora trouxe e conjugando com todas as intrigas e traições que vai acompanhando o livro todo, faz com que seja bastante difícil de deixar de o ler.


Um dos aspetos que mais gostei foi a evolução da Mare. No primeiro livro eu não gostei muito dela, mas neste livro tenho que admitir que ela cresceu imenso. Verdade seja dita que ela foi quase "obrigada" a isso, mas é notório o quanto ela mudou. Mesmo assim, algumas das suas decisões, eu não concordei, mas a verdade é que todos cometem erros e a Mare não é exceção. Já o Cal continuou a ser a minha personagem favorita desta história, é verdade eu adoro-o e mesmo em algumas situações querendo apertá-lo para que tivesse outras reações, eu continuei a adorá-lo. Devido a todos os acontecimentos também ele muda e torna-se bastante complexo, mas a verdade é que ele é quem equilibra toda esta situação, sem ele tudo seria completamente diferente e acredito que não iria correr bem.

Eu não sou uma pessoa que gosta de triângulos amorosos, sinceramente acho que a literatura já tem tantos que é basicamente tudo igual e neste livro felizmente não temos isso, o que eu gostei bastante. Como foca principalmente nos acontecimentos da Mare, o Maven não está fisicamente presente e isso faz com que o livro seja principalmente com o Cal. Este é sem dúvida outro dos aspetos que mais gostei, porque eu gosto imenso do Cal e mesmo o Maven estar presente constantemente nos pensamentos de todos, é com o Cal que ela tem a maioria das cenas e é lindo. Não digo que é fácil, pois não é, ambos têm os seus problemas, mas admito que gostei e muito.

É aqui que também ficamos a conhecer outros locais deste mundo, fora que vamos ser apresentados a personagens que a maioria considerei bastante boas, mas outras fiquei na dúvida se diziam a verdade ou se escondiam alguma coisa, verdade seja dita que não acreditei em todas. A autora abre-nos um mundo completamente desconhecido cheio de mistérios e problemas que não estávamos nada à espera, enriquecendo imenso este universo, tornando-o assim em algo enorme que me faz pensar que ainda tem muito coisa para vir nos próximos livros.

Espada de Vidro tem um universo fantástico e acreditem, quem gostou do primeiro livro, vai adorar este. A autora sobre desenvolver este mundo de uma forma bastante surpreendente, que como já disse, eu não estava nada à espera e foi fascinante devido às reviravoltas sobre reviravoltas que temos aqui. O final é algo que eu não estava nada à espera e não vejo a hora de ler o terceiro para perceber o que a autora reserva para estes personagens.  Para quem gosta de uma boa fantasia, acreditem, vale a pena darem uma oportunidade a esta série, quando chegarem a este segundo volume não se vão arrepender.

Opinião do livro anterior:

Leitura com o apoio:

12/10/2018

Opinião | "Cartas de Profecia" de Anne Bishop

Título: Cartas de Profecia
Autor: Anne Bishop
ISBN: 9789897730863
Edição ou reimpressão: 11-2017
Editor: Saída de Emergência
Idioma: Português
Dimensões: 158 x 228 x 27 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 432

Sinopse: Anne Bishop regressa ao mundo de Os Outros, enquanto os humanos lutam para sobreviver na sombra de criaturas poderosas.
Depois de uma insurreição humana ter sido brutalmente abortada pelos Anciãos – uma forma primitiva e letal de Os Outros –, as poucas cidades que os humanos controlam estão dispersas. Os seus habitantes conhecem apenas o medo e a escuridão da terra de ninguém.
À medida que algumas dessas comunidades lutam para se reconstruir, Simon Wolfgard, o líder lobo metamorfo, e Meg Corbyn, a profetisa de sangue, trabalham com os humanos para manter a frágil paz. Mas todos os seus esforços são ameaçados quando uma misteriosa figura humana aparece.
Com os humanos desconfiados em relação a um dos seus, a tensão aumenta, atraindo a atenção dos Anciãos, curiosos sobre o efeito que este predador terá na matilha. Mas Meg já conhece o perigo, pois viu nas cartas de profecia como tudo terminará: com ela ao lado de uma campa.

OPINIÃO:
Quando comecei a ler esta série eu não sabia o quanto iria gostar desta história. Eu nunca tinha lido nada de Anne Bishop e ao ler estes livros eu fiquei completamente encantada, as personagens são maravilhosas, mas o que mais marcou-me ao longo desta fantástica história foi o mundo que a autoria criou e o significado de "Os Outros". Nas minhas opiniões aos livros anteriores eu já tinha indicado isto, mas tenho que voltar a falar, porque sim, é o que mais choca e que deveria sim ser discutido é que o ser humano não se preocupa com o planeta terra. Pode sim haver algumas preocupações ambientais, podemos ter atenção a uma ou outra situação, mas a verdade é que não existe ninguém que diga "ou fazem fazem as coisas como deve ser, ou nada feito". Nesta série a natureza tem a sua própria voz, é a própria natureza que manda nos humanos e que decide o que vai ser feito no planeta e isso é maravilhoso de se ler.

Neste livro temos como "principal vilão" o Cyrus, irmão e filho de pessoas que já habitam Lakeside e que dão-lhe teto e comida quando mais precisou. Mas tal como a maioria dos humanos, este achou que seria fácil enganar "os outros" e ao longo desta história vamos acompanhando todas as artimanhas feitas por ele. Este é o último livro da história Meg e Simon e conhecemos o final deste "casal" tão diferente, mas tão fofo ao mesmo tempo. É uma história que acompanho à imensos livros e foi com uma grande emoção (umas lágrimas até) que terminei este livro.

O que mais agradou-me neste livro foi sem dúvida o mundo que a autora criou, eu não me canso de repetir isto, até já falei para imensos amigos lerem esta série. A crítica social é tão forte que desde o primeiro livro eu fiquei completamente fascinada com o que a autora transmitiu. A verdade é que nós humanos (e sim eu digo nós, porque eu infelizmente também não faço nada para alterar isso, muito pelo contrário) pensamos que o planeta terra é nosso e só pensamos em construir e ter mais e mais. Com isto esquecemos-nos muitas vezes da natureza e a verdade é que esta série é a prova real do que o Homem não é o ser mais forte, afinal de contas bastante um sismo para morrerem milhares e milhares de pessoas.


Outra crítica social é que o Homem quer sempre "mais e mais", mesmo quando sabe que não é o mais forte, queremos sempre ir até onde não se consegue para descobrir "novos lugares", queremos sempre ter aquilo que não temos. Nesta história é a prova viva que os humanos sabem que basta "os outros" não gostarem que matam a todos, mas mesmo assim são estúpidos de tentarem serem mais espertos ou mais "qual quer coisa" para alcançarem o que desejam. Anne Bishop sabia o que estava a fazer e conseguiu fazê-lo da melhor forma e isso está completamente de parabéns.

As personagens fantásticas e a forma como vivem e interagem entre eles é fabuloso, sem dúvida que a autora pensou em cada pequeno detalhe e isso fez com que ficasse algo tão poderoso e cativante, que uma simples cena da Meg a andar pelo Pátio era recheado de surpresas. Mais precisamente neste livro que estas criaturas têm um pouco mais de convivência com os humanos, é ainda maior esta diferença e é tão divertido ver estas iterações e ambas as "espécies" a tentarem entenderem-se uns aos outros que foi algo que completou ainda mais esta história. Anne Bishop criou diferentes criaturas que entre elas têm as suas características, mas que se regem pelas mesmas "regras", o que nota-se aqui a grande diferença dos humanos.

Basicamente os pontos principais da história é a "luta" entre humanos e "os outros" e a tentativa de um grupo de pessoas de tentarem sobreporem-se a estas criaturas poderosas. Com isto, a parte de romance foi posta um pouco de lado e posso dizer que sendo este o último sobre o casal "Meg e Simon" eu esperava um pouco mais, mas a verdade é que o foco não é este e chegamos ao final e compreendemos, mas acredito que quem gosta de um bom romance vai ficar um pouco desiludido. Mas afinal de contas esta série é fantasia urbana e não romance fantástico, por isso é completamente normal.

Esta é uma série que sem dúvida que recomendo, verdade seja dita que estou farta de falar nela aos meus amigos, mas caros leitores, se leram esta opinião vão a correr pegar no primeiro volume. É uma série marcante, com uma escrita envolvente e personagens super bem desenvolvidas que precisam de ler. Fora a mensagem/crítica que é algo que vai direto ao ponto principal e que deixa o leitor a pensar e a refletir durante meses (ou no meu caso anos, que foi desde que iniciei esta série em 2015).

Opinião dos livros anteriores:

Leitura com o apoio:

04/10/2018

Opinião | "Um Casamento Conveniente" de Tessa Dare

Título: Um Casamento Conveniente
Autor: Tessa Dare
ISBN: 9789898917263
Edição ou reimpressão: 09-2018
Editor: TopSeller
Idioma: Português
Dimensões: 150 x 230 x 22 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 320

Sinopse: Da autora romântica bestseller que conquistou as leitoras portuguesas
Vencedora do Prémio RITA para Melhor Romance Histórico
Objetivo número um: ter um herdeiro.
Desde que o Duque de Ashbury regressou da guerra com o rosto desfigurado, a única coisa que o move é deambular pela cidade de Londres durante a noite e assustar todos com quem se cruza. Só que agora tem um problema: precisa de um herdeiro.
Objetivo número dois: casar.
Mas com regras bem definidas.
Quando Emma Gladstone, uma simples costureira, aparece em casa de Ashbury para lhe exigir um pagamento em dívida, este aproveita a ocasião e faz-lhe uma proposta de casamento. Mas impõe certas condições: deverão encontrar-se sempre às escuras, e apenas para conceberem um filho. Assim que Emma engravidar, deverá partir para o campo, e nunca mais se voltarão a ver.
Objetivo número três: não quebrar nenhuma das regras anteriores.
Ashbury e Emma casam-se. Emma, porém, é uma mulher determinada e também tem as suas próprias regras. E a principal é conhecer o marido. Permitirá Ashbury que Emma o veja realmente? E conseguirá ele impedi-la de se apaixonar?

OPINIÃO:
Este livro é daqueles livros que eu sei logo de início que vou adorar, afinal é Tessa Dare e a forma como a autora desenvolve estas histórias super fofinhas e com uma pitada de drama faz com que o leitor fique completamente preso ao livro. Para aqueles já leram vários livros de Tessa Dare podem chegar a um ponto e pensarem que é mais ou menos o mesmo, mas enganem-se, a autora é mestre a desenvolver tramas que têm sempre um pano de fundo original e diferente.

A premissa deste livro é simples, um Duque com marcas feias no rosto que precisa de casar e ter um herdeiro e uma jovem que infelizmente não teve muita sorte e que apenas quer ser feliz. Se acharam alguma parecenças com uma história tão conhecida por aí, pois bem, parece que sim e acreditem, é fantástica. Esta espécie de reconto é tão interessante que ficamos desde o início super apegados aos personagens e ás suas histórias. Tal como aconteceu em todos os livros da Tessa eu li bastante rápido e chego sempre ao fim com a sensação que quero muito mais.

As personagens deste livro são um pouco diferentes do que estamos habituados em romances como estes. A Emma é uma simples costureira que teve que lutar muito para conseguir ter o que tem hoje, é uma mulher guerreira e determinada, que teve que aprender com as dificuldades da vida a tomar conta de si mesma. Mesmo assim, tem um coração enorme e é uma personagem bastante querida e gentil. Eu adorei a Emma, o seu passado não foi fácil e quando descobrimos tudo o que ela passou só queremos que ela finalmente tenha o seu "felizes para sempre".


Já o Ashbury é um homem com enormes marcas visíveis no corpo devido à guerra. Mas como sabemos, o pior destas situações são as marcas internas. Quando ele voltar da guerra neste estado ele foi rejeitado pela noiva, o que apenas piorou a sua situação psicológica. Devido a isto é notório o quanto ele sofre, ele era um homem cheio de vida e agora nem consegue-se ver ao espelho a si mesmo. Mas ele tem um problema, precisa de um herdeiro, para isso precisa de casar. Devido à rejeição da ex-noiva ele pensa que todas as mulheres pensam o mesmo dele e a melhor situação que ele arranja é fazer um acordo com uma mulher. Eu no início irritei-me com este personagem, é verdade que ele tinha os seus problemas internos, mas ao mesmo tempo que apetecia bater-lhe por ser tão parvo, outras vezes apetecia pegar nele e dizer que estava tudo bem. Ashbury é um personagem bastante interessante, porque se no início parecia que o problema estava na sua imagem, é notório ao longo do livro que os seus problemas vão muito mais para além disso e é lindo ver como, pouco a pouco, a Emma vai libertando-o das suas inseguranças.

É um romance bastante intenso, a química entre os dois é algo surreal e bastante instantânea, que pode não parecer, mas é tão incrível que eu adorei. Um dos aspetos que mais gostei neste livro foi sem dúvidas as tentativas da Emma de se aproximar emocionalmente ao Ash, sempre que ela tentava ele dava para trás e chegava a ser um verdadeiro monstro, mas a Emma nunca desistia, mostrando que ele é muito mais do que apenas a aparência.

Um Casamento Conveniente é um romance rápido, com uma escrita bastante bonita que retrata assuntos sérios, mas que ao mesmo tempo a autora conjuga com cenas super cómicas. Falar de aparência, seja qual for o século, é óbvio que é sempre um assunto complicado, porque obviamente não é apenas isso e entra também a parte psicológica e Tessa Dare conseguiu isso de uma forma esplêndida, tocando nos pontos certos, nos momentos certos. É sem dúvida um livro que recomendo imenso, não só para quem já conhece a autora, mas também para quem nunca leu nada dela, afinal este é o primeiro livro de uma nova série e acredito que vão adorar, pelo menos eu já estou super ansiosa pelo segundo.

Leitura com o apoio: