17/07/2018

Opinião | "Conquistar Um Duque" de Lenora Bell

Título: Conquistar um Duque
Autor: Lenora Bell
ISBN: 9789897770203
Edição ou reimpressão: 03-2018
Editor: Editorial Planeta
Idioma: Português
Dimensões: 153 x 233 x 22 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 312

Sinopse: James, o indecoroso e pouco civilizado duque de Harland, exige uma noiva com uma reputação imaculada para um enlace puramente de negócios. A luxúria é proibida e o amor está fora de questão.
Quatro jovens ladies. Três dias. O que pode correr mal?
Charlene Beckett, a filha não reconhecida de um conde e de uma cortesã, acabou de receber uma fortuna que lhe pode mudar a vida para se fazer passar pela sua meia-irmã, lady Dorothea, e conseguir um pedido de casamento do duque. Tudo o que precisa de fazer é fingir ser uma perfeita rosa inglesa, respirar e fazer vénias em vestidos muitíssimo apertados... e manter o duque longe, muito longe do coração.
Quando os segredos são revelados e a paixão o domina, James tem de decidir se esta lady, que devia ser a última a querer, é de facto tudo o que precisa.
E Charlene necessita de decidir se a promessa de uma nova vida merece que arrisque tudo... incluindo o seu coração.
Vencedor do Romance Writers of America’s Golden Heart Award para o melhor romance histórico 2014.

OPINIÃO:
Assim que a editora divulgou este livro eu fiquei super curiosa, afinal eu adoro romances históricos e sabia que ia gostar e sim, eu adorei e recomendo imenso a quem ama uma história linda e super envolvente. Este foi o primeiro livro que li desta autora e admito que comecei com receio de não gostar, mas assim que iniciei a leitura percebi que a escrita era rápida e envolvente e que era do género que eu mais gostava. Foi sim uma grande surpresa, eu tinha quase a certeza que iria gostar, mas sinceramente não pensei que me fosse envolver tanto na história e nos personagens o que fez com que eu não conseguisse largar o livro até o terminar.

A história deste livro é super engraçada, temos um Duque que quer casar com uma jovem com uma reputação perfeito, tudo meramente estratégico, por isso convida quatro das melhores jovens para então escolher uma delas para se casar. Mas o mais interessante desta história é que uma destas jovens não se encontra na cidade e a mãe dela não aceita que a filha perca a oportunidade de casar com um duque. É aqui que entra a Charlene, o seu pai é um conde, a sua mãe é uma cortesã, mas ela é a "cara  chapada" da outra filha do conde e recebe uma proposta, conseguir conquistar o duque que depois casará com a irmã.

Eu adoro romances históricos e este é diferente porque temos a versão de uma jovem que está fora da sociedade e percebemos uma parte de como era o "outro lado". É raro ler romances deste género onde a personagem feminina não é uma dama e aqui temos uma versão bastante diferente que foi bastante envolvente e cativante. Podem logo imaginar que quatro jovens com as respetivas mães numa casa a "lutar" para conquistar um duque só poderia dar a cenas bastante hilariantes e divertidas, cada uma é diferente vai mostrar isso, mas o pior mesmo é as mães que são capazes de fazer com cada coisa para o duque escolher a sua filha que só lendo. É realmente uma trama muito divertida que causará grandes gargalhadas que vai surpreender.

Mas claro, o romance também é tão fofo que derreteu completamente o meu coração. A personagem feminina não está nada habituada a todas as regras e a etiqueta e que sabe perfeitamente que aquele não é o seu mundo e que rapidamente tudo irá terminar. Ela faz de tudo a pensar na sua família, mas quanto mais o tempo passa ela começa a ter pensamentos que sabe que não poderia ter e é bastante triste ler este dilema dela. Já o James é um homem com segredos e é tão bonito ver como pouco a pouco ele vai se abrindo com a Charlene e vai alterando o que pensava que era o melhor para ele.

Recomendo imenso este livro, é recheado de romance e risadas do início ao fim, a nível histórico tem algumas falhas, ma sinceramente não me fez nenhuma confusão, a história é muito bom e eu fiquei completamente rendida. A escrita de Lenora Bell é rápida e bastante direta ao ponto fazendo com que seja uma leitora bastante compulsiva e fácil de entrar na trama. É um livro perfeito para quem gosta de uma romance intenso e divertido. Este foi o primeiro livro que li da autora, mas fiquei fã e quero ler os próximos!

Leitura com o apoio:

13/07/2018

Opinião | "Eu sou Eric Zimmerman" de Megan Maxwell

Título: Eu sou Eric Zimmerman
Autor: Megan Maxwell
ISBN: 9789897770531
Edição ou reimpressão: 05-2018
Editor: Editorial Planeta
Idioma: Português
Dimensões: 152 x 235 x 32 mm
Encadernação: Capa mole

Sinopse: Um spin-off da série Pede-me o Que Quiseres, a série de maior sucesso da autora em portugal, agora contada do ponto de vista do protagonista masculino.
O meu nome é Eric Zimmerman e sou um poderoso empresário alemão, caracterizo-me por ser um homem frio e distante, que usufrui do sexo sem amor e sem compromisso.
Numa das viagens a Espanha, para visitar uma das minahs delegações, conheci uma jovem chamada Judith Flores. Ela fez-me rir, cantar e até dançar e eu não estava acostumado a isso. Quando me apercebi, sentia mais por ela do que devia, distanciei-me, mas regressei, pois essa mulher atraía-me como um íman.
A partir desse momento, começámos uma relação recheada de fantasia e erotismo e adorei ensinar Judith a gozar o sexo de uma forma que ela nunca imaginara...
Megan Maxwell é um êxito de vendas no género da literatura erótica com mais de 1,7 milhões de leitores.

OPINIÃO:
Eu já li vários livros de Megan Maxwell, mas a série "Pede-me o que Quiseres" nunca me chamou muito atenção, mas eu queria dar uma oportunidade a esta série, eu gosto tanto de outros livros da autora que acredito que iria gostar. Eu sei que deveria ter começado pelo primeiro livro da série, mas este é a versão dos dois primeiros livros mas contada pelo personagem masculino e acreditava que poderia ser mais ou menos igual. A verdade é que sim, eu perdi muitas partes importantes da história destes dois personagens, mas deu para apreciar esta história e perceber que eu deveria ter lido esta série à bastante tempo.

Esta série conta a história de um homem poderoso que é considerado pelas pessoas como insensível. Eric já teve alguns problemas no passado e com isso não consegue confiar completamente nas mulheres, fora que tem uns gostos sexuais bastantes peculiares e diferentes. Mas quando conhece a Judith ele quer mostrar para ela tudo o que gosta, ela atrai-o de uma forma que não sabe explicar e rapidamente vê-se envolvido numa relação cheia de surpresas para ambos e bastante peculiar.

O que eu mais gostei neste livro foi o romance, o Eric é um homem bastante reservado devido a alguns acontecimentos do seu passado e é lindo ver como ele pouco a pouco abre-se com a Judith e vai entregando-se. A verdade é que não é nada fácil, o Eric é um homem bastante controlador e quer tudo a sua maneira e quando isso não acontece ele não sabe bem lidar com o assunto, mas nem tudo é como queremos e numa relação é necessário ceder e é tão bonito ver esta evolução dele. Já a Judith é uma jovem bastante alegre e divertida, mas junto ao Eric ela vai aprender mais sobre si própria e vai conhecer experiências que nunca imaginou experimentar. Nesta louca viagem de auto-conhecimento, a Judith vai tornar-se uma mulher cada vez confiante e bastante poderosa.

O livro trata de um tema bastante interessante e inovador, é verdade que nem todos vão gostar e identificar-se, mas é diferente de tudo o que já li e trouxe a perspetiva de algo eu realmente achava escandaloso. A verdade é que é a sociedade que impõe o que é certo e o que é errado e temos que ser nós mesmos a perceber o que é para nós o bom e o mau, se gostamos de algo, não estamos a fazer nada de mal e nem a prejudicar outras pessoas, então o que é que as pessoas têm a ver com o que se gosta ou não? A sociedade impõe alguns preconceitos e faz "regras" que devem ser seguidas, mas não tem que ser assim e realmente este livro abriu-me a mente para tópicos diferentes, gostando ou não, a verdade é que é importante discutir que cada pessoa é como é e a partir do momento que não está a prejudicar ninguém, então tem todo o direito em fazer tudo o que a faça sentir-me bem.

Mas sou sincera, mesmo tendo a mente bastante aberta, algumas cenas do livro fizeram-me confusão, não pelo tabu em si, mas a forma como, principalmente o Eric, pensava sobre o tema "relação". Existem si relações bastante abertas, mas a forma como eles lidavam com o sexo, para mim não é uma relação saudável. Lá está, eu não identifico-me com este tipo de relação, mas não julgo e até admito que foi bastante interessante e diferente.

Sem dúvida fiquei curiosa para ler a série original, afinal de contas gostei do romance e da evolução dos personagens e quero saber como vai ser o final deste casal. Recomendo imenso esta história para quem gosta de um romance bastante diferente de tudo o que já leu, mas aviso já: têm que ir com a mente bastante aberta e prontos para lerem tudo o que podem (ou não) imaginar.

Leitura com o apoio:

11/06/2018

5 Livros que Deveriam ser Publicados em Portugal

Já à algum tempo que queria fazer este post. Existem alguns livros que eu li que são tão bons que é uma pena não terem sido lançados em Portugal, depois as editoras em vez de lançarem livros bons lançam umas coisas que nem percebemos o porquê. Por tanto, aqui está 5 livros que eu simplesmente amei. Claro que esta lista é de acordo com o meu gosto pessoal. Aqui só estão livros únicos ou o primeiro de uma coleção, claro que existem muitos outros que são continuações de séries que nunca foram publicadas por cá, mas isso é para um outro post.

O primeiro chama-se Dangerous To Know & Love de Jane Harvey-Berrick e é o meu new adult favorito, eu já perdi a conta das vezes que o li e é completamente apaixonante. A história destes dois personagens é linda e o Daniel é um dos personagens masculinos mais fortes e determinados que eu já li. Têm que ler esta história. Acho que este livro se fosse hoje publicado em Portugal seria considerado cliché, deveria era ter lançado quando saiu lá fora, mas mesmo assim não poderia deixar de fora visto que é o meu favorito do género. Podem ler a minha opinião completa aqui no blogue.

Forbidden de Tabitha Suzuma é um livro que ainda não sei como não foi publicado cá em Portugal. Ao contrário do primeiro este seria uma grande mudança de tabus, é diferente de tudo, original, muito dramático, mas refletivo. Este é daqueles livros que jovens e adultos deveriam ler. Obviamente fartei-me de chorar, mas é uma história tão intensa que merece sim ser lida por mais pessoas. Mesmo que publiquem imensos livros, nenhum tão forte e marcante e acho sim que seria bem recebido hoje em dia. Também podem ler a minha opinião completa aqui no blogue.

Outro livro que acho que seria muito bem recebido pelos leitores portugueses devido a não haver outros iguais por cá é o Hate List de Jennifer Brown. A mensagem é tão profunda e trata de temas tão fortes que tenho a certeza que dava boas críticas. O público mais jovem precisa de perceber que existe certos limites que não podem ultrapassar e este é um excelente exemplo. Não compreendo como ainda não foi lançado por cá.

Agora um mais leve e divertido que eu adorei, este é daqueles romances amorosos, com algumas picardia pelo meio e muita confusão, mas muito bom. Paper Princess de Erin Watt é um romance jovem, mas que pelo meio deixa algumas mensagens fortes. Era tão bom que alguma editora pegasse nesta série.

O último livro que eu adorava que fosse publicado por cá é Talania - A Trip Down Memory Lane de Crystal Spears. Este é outro new adult que eu amo, a história é linda e completamente apaixonante. Trata de assuntos fortes, mas que merecem sim ser discutidos. Um romance lindo e que prende do início ao fim. Basta dizer que chorei horrores, mas vale a pena. Este também tem opinião aqui no blogue.

E estes foram os 5 livros que eu adorava que fossem publicados cá em Portugal, quais as vossas dicas?

10/06/2018

Filme | Com Amor, Simon

Baseado no livro O Coração de Simon Contra o Mundo de Becky Albertalli (Porto Editora, opinião aqui) o filme Com Amor, Simon estreia em Portugal no próximo dia 21 de junho e tive a oportunidade de assistir ao filme no passado dia 29 de maio (obrigada Porto Editora pelo convite) e acreditem é tão fofo como o livro.
Eu li o livro o ano passado e surpreendeu-me imenso, como eu escrevi na minha opinião eu não estava à espera de gostar tanto, mas esta história é tão fofinha que cativou-me desde o início e quando soube que ia haver filme fiquei super empolgada.

Para quem não leu o livro, aqui temos a história do Simon, um jovem que é gay mas nunca disse a ninguém. Mas quando ele começa a falar com o Blue por email, começa a sentir-se ele próprio e pouco a pouco começa a apaixonar-se pelo Blue. Mas quando o Simon deixa o email aberto na escola, um colega lê os email e começa a chantageá-lo para que o Simon consiga fazer com que uma das amigas dele saia com ele. A partir deste momento o Simon tenta fazer de tudo para que o colega não conte a ninguém, afinal não é que ele não queira que ninguém saiba, mas ele quer ser ele a contar as pessoas no seu tempo, fora que é a intimidade de duas pessoas que não pode ser divulgada assim do nada. Assim, a história é o Simon a tentar descobrir a identidade do Blue, mas também a relação dele com os seus amigos e com a sua família, o que torna bastante interessante e amoroso.

Começo já por dizer que adorei o filme, como todas as adaptações tem sim algumas diferenças, mas conseguiu transmitir a mensagem principal do livro que é o mais importante. Os atores escolhidos também ajudam imenso, o Nick Robinson (Simon) conhecido por urassic World, The 5th Wave e Everything, Everything, entre outros, neste filme interpreta um papel completamente diferente, mas faz este trabalho de uma forma soberba. Também Katherine Langford (Leah), conhecida pela série 13 Reasons Why, fez um papel fantástico como melhor amiga do Simon e interpretou perfeitamente toda a imagem que eu tinha dela. Neste filme também temos a Jennifer Garner e o Josh Duhamel, dois atores super conhecidos e que eu adoro, como os pais do Simon e posso dizer que sem dúvida não havia personagens melhores para estes papeis.
Desde aos personagens principais, até aos secundários, foram muito bem escolhidos, talvez alguns foram escolhidos estrategicamente, mas no final deu certo.

Como todas as adaptações o filme tem algumas diferenças com o livro, mas sinceramente a maioria dá para perceber o porquê de terem feito, só duas delas é que fizeram-me um pouco de confusão, mas é uma adaptação e é normal estas alterações e são sim justificadas. Por isso, não está completamente fiel, mas está perfeita porque no final a mensagem foi transmitida e ficou lindo e super fofinho.

As suposições de quem é o Blue é bastante diferente do que está no livro, mas eu admito que gostei. No princípio pode ficar um pouco confuso porque não dá para entender muito bem, mas quanto mais o filme avançada fiquei habituada e no final foi uma forma divertida e inteligente de demonstrar os pensamentos e as suspeitas do Simon. O principal do filme é sim a homossexualidade, mas vai muito mais além disso. Primeiro que não trata isto como tabu, que logo é algo que nunca deveria ter havido na nossa sociedade e muito menos nos tempos atuais, mas como sabem infelizmente existe e este filme vem mostrar a verdade de uma forma bastante divertida, mas fiel à realidade. Não é um filme triste sobre ser gay, pelo contrário, é alegre e cheio de cor, e não poderia ser de uma outra forma.
Também no filme temos um grande foco no bullying causado por adolescentes preconceituosos e acima de tudo a reação da família, que é algo que pode sim assustar muitos jovens a dizer quem realmente são. Sem dúvida rompe com preconceitos e que deve ser visto por todas as pessoas, para de uma vez por todas deixarem de estereótipos. 

Relativamente à banda sonora tenho que dizer que é fantástica e super divertida, tal como a mensagem que queriam passar, alguns momentos do filme eu própria queria dançar com os personagens o que tornou tudo bastante leve e divertido.

A única coisa que não gostei tanto foi uma cena no final que fiquei um pouco com vergonha do próprio personagem. Esta é uma cena diferente da do livro e que ficou bastante estranha, mas era essencial para o personagem e mostra o quanto uma pessoa pode evoluir psicologicamente. Aquela cena é como uma metáfora para o mundo e pensado bem, ficou genial para quem assiste.

Com Amor, Simon é um filme com uma mensagem poderosa, mas bastante jovem, alegre e sensível que recomendo imenso para quem leu o livro, mas também para quem não leu. O tema e a mensagem tem que ser divulgada, sem dúvida é um filme para jovens e adultos que merece ser visto e discutido. O filme estreia a 21 de junho nos cinemas portugueses!